Tomar remédio para emagrecer é perigoso?

Os remédios para emagrecer fazem um sucesso enorme entre os brasileiros, mas será que eles são a melhor opção para perder peso?

Saúde

Os brasileiros batem recordes quando o assunto é remédio para emagrecer. De acordo com um estudo feito pela Nielsen Holding em 2012, 12% da população do país faz uso de medicamentos na tentativa de perder peso.

Além disso, a análise observou que o Brasil é o país da América Latina com maior número de usuários de remédios para emagrecer. Aqui, a média de consumo desse tipo de medicamento ficou em 8%, enquanto países como Peru e Venezuela tiveram porcentagem média de 4% com relação ao consumo de emagrecedores.

A explicação para esse índice muito provavelmente está na insatisfação que os brasileiros sentem em relação ao próprio corpo. De acordo com a pesquisa, 30% da população se diz satisfeita com o peso. O número de insatisfeitos é bem maior: 43%. Ainda segundo os resultados, 50% dos brasileiros recorrer a algum tipo de recurso para perder peso. 16% das pessoas entrevistadas acreditam estar acima do peso.

Dados coletados pela Anvisa mostram que a venda de sibutramina, um famoso remédio emagrecedor, foi bem elevada. Foram mais 67 toneladas do medicamento comercializadas no decorrer do ano.

Tudo isso mostra que a vontade de perder peso leva os brasileiros a procurar os remédios emagrecedores. Porém, eles não são as melhores opções para quem quer emagrecer. Vários estudos mostram que o consumo desses medicamentos traz riscos para a saúde e nem sempre proporciona o emagrecimento prometido.

Remédio emagrecedor: será que esta é a melhor opção?

Remédio emagrecedor: será que esta é a melhor opção?

Efeito Sanfona

O que acontece quando você não muda os seus hábitos alimentares? Com o uso de medicamentos, a tendência é que você emagreça enquanto ele está fazendo efeito. Porém, depois que acabar o tratamento, sua alimentação continuará a mesma. Assim, o mais provável é que ocorra o chamado efeito sanfona, ou seja, que você volte a ganhar peso. Muitas pessoas que emagreceram com remédios acabaram engordando mais depois que pararam de tomar a substância.

Dependência Química

A maior parte dos remédios para emagrecer tem uso controlado. Isso acontece porque as substâncias oferecem riscos e não podem ser consumidas indiscriminadamente. Muitos pacientes acabam viciados na medicação e uma das explicações é o efeito sanfona que mencionamos acima. Além disso, a ação no sistema neurológico pode causa dependência. Por essa razão, remédios feitos com Femproporex, como é o caso do Desobesi-M, foram proibidos pela Anvisa.

Emagrecer Sem Dieta?

Outro sério problema relacionado ao uso de emagrecedores está na noção de que é possível emagrecer sem fazer esforço. Muitas pessoas acreditam que basta tomar o medicamento para perder peso. Assim, elas continuam comendo o mesmo tanto. Se o remédio fizer efeito, ele não será durável, como comentamos antes. O mais indicado para perder peso é sempre uma reeducação alimentar, mesmo que ela seja acompanhada do uso de algum medicamento emagrecedor.

Efeitos Colaterais

Por fim, é preciso mencionar os efeitos colaterais dos medicamentos. Como relato pessoal, posso comentar sobre o Vazy, à base de sibutramina. O remédio me causou vários problemas, como dor de cabeça, enjoo e dificuldade para dormir. Além disso, o peso que perdi usando o remédio foi de massa magra e não de gordura. Após deixar o tratamento, recuperei os quilos perdidos em poucos meses. Efeitos colaterais semelhantes podem ocorrer com outros emagrecedores.

Por Mila Silva nas categorias Saúde. Tags: , , , ,

Você vai gostar

Peixe Assado no Forno

10 Alimentos que Previnem o Envelhecimento

Conheça 5 Alimentos para uma Pele Bonita